Cabos submarinos: O caminho da internet

Você já se perguntou qual o caminho que a internet percorre para chegar até a sua casa? Como as mensagens chegam em países tão distantes com uma rapidez absurda?

Pois é, a maioria desse trabalho é feito pelos cabos submarinos de fibra ótica, e aqui explicaremos um pouco de como essa tecnologia funciona. Só conferir!

 

“Glory to God in the highest, and on Earth, peace, good will to men”

 

Se você achou que a existência de cabos para conectar regiões através dos oceanos não era algo tão antigo, está enganado!

O primeiro cabo  foi lançado ao mar em meados de 1851 no canal Inglês de Dover. Mas, o primeiro cabo submarino transatlântico metálico foi lançado no oceano em 1958 e conseguiu ligar a Inglaterra a  América do Norte. Porém, era uma conexão ainda muito frágil, só permitia o envio de no máximo duas palavras por minuto.

A primeira frase enviada foi “Glory to God in the highest, and on Earth, peace, good will to men” (“Glória a Deus no alto, e na Terra paz e boa vontade aos homens”).

Já no Brasil, o primeiro cabo só foi lançado em 1857.  Esse cabo fazia parte de uma telegráfica brasileira, e conseguiu ligar a Praia da Saúde no Rio de Janeiro à cidade de Petrópolis.

Os cabos dessa época ainda eram frágeis, mas depois de um tempo surgiram os cabos metálicos e posteriormente os cabos ópticos.

As conexões submarinas evoluíram, passaram a ser feitas por fibra óptica e, hoje, atravessam distâncias cada vez maiores e com velocidade de tráfego extremamente alta.

O envio de uma mensagem do Whatsapp de uma pessoa que está no Brasil, por exemplo, para outra que está na Austrália chega em questão de segundos. Parece loucura, né? Mas é só tecnologia.

Conectando mundos através de cabos

A internet se tornou indispensável para o mundo todo. Você com certeza já se perguntou como que até mesmo um simples e-mail consegue chegar em questão de segundos de um país para o outro.

Esse transporte de dados em longa distância e alta velocidade acontece porque existem os cabos submarinos. Eles que fazem essa “mágica”.

Conseguir instalar esses cabos era algo muito difícil, pois exigia muito trabalho e planejamento da melhor rota para instalá-los. Para sua  instalação, dois detalhes importantes eram levados em consideração, tais como:

O local escolhido tinha que ser o mais plano possível

Não ser um local em que poderia acontecer oscilações de terremotos

 

Após toda análise do local onde seriam instalados os cabos, eles eram transportados por um navio e lançados ao mar. A partir daí um robô submarino realizava uma escavação no fundo do oceano para encaixar os cabos, afinal, barcos e tubarões poderiam danificá-los (mesmo que pareça estranho, mas já houveram casos).

Hoje em dia

Atualmente são mais de 360 cabos instalados debaixo dos oceanos do mundo todo, conectando vários países e continentes a internet.  Apenas a Antártida ainda não possui nenhum cabo instalado.

O cabo Submarino mais usado hoje em dia é o  SeaMeWe-3, pois ele possui maior extensão, e seu tamanho é de 39.000Km  saindo do sudeste Asiático, passando pelo Oriente Médio até a Europa conectando 32 países.

Hoje, a velocidade média da  transmissão de dados é de mais ou menos 4 Tbps (terabits por segundo). Mas, há empresas que já estão criando projetos para multiplicar esse número. A empresa Seaborn Networks pretende captar U$ 500 milhões de dólares para construir um cabo que ligará São Paulo até Nova York. A transmissão de dados pretende chegar a 72Tbps.

Muita coisa ainda pode mudar quando falamos em tecnologia. O fato é que você precisa estar atualizado a tudo que acontece no mundo. Hoje em dia é impossível ficar de fora do meio digital, afinal, a tecnologia facilita (e muito) a sua vida.

_________________________________________________________________________________________________________________________________________

Gostou de saber como é feito o caminho da internet até ela chegar em sua casa?

Conta pra gente nos comentários e não deixe de se matricular nos melhores cursos de informática que só a Speed tem.



Deixe uma resposta