Hackers: saiba quem são e como agem os piratas da internet

Perigosos e difíceis de serem identificados. Os hackers são os piratas da internet. Em um mar de dados e informações, os monstros marinhos virtuais assustam bastante. Mas, na maioria das vezes, não são tudo o que pintam ser.

Neste artigo, explicaremos o que são os hacker. E, ainda: seus tipos mais comuns e quais os maiores da história.

Piratas da internet

Existe uma diferença entre criminosos virtuais e hackers. O primeiro tipo é marcado pelas pessoas com má índole, que cometem verdadeiros crimes virtuais.

Já um hacker não é, necessariamente, um criminoso. Apenas alguém muito bom no que faz. E, neste sentido, até quem não é entusiasta na tecnologia pode ser um hacker.

O que acontece é que, quando se trata de hackers virtuais, a imagem atribuída é a primeira. De fato, existem hackers virtuais que são criminosos. Porém, isto não é uma regra.

Um analista de sistemas, que encontra uma falha em um sistema virtual, é um hacker. Porém, caso ele use esta falha para fins ilícitos, se torna um criminoso virtual.

Tripulantes do navio pirata

Existem diversas classificações para os hackers. Isto facilita a entender as atividades de cada tipo. E, também, saber quando é um criminoso ou não.

White hat

Os chamados “chapéus brancos”. Também considerados hackers do bem

Geralmente são especialistas em segurança digital. O papel deles e identificar falhas nos sistemas de grandes empresas e alerta-las.

Gray hat

Os chapéus cinzentos são parecidos com os White hat. Eles identificam falhas de segurança em grandes empresas, mas não se sentem na obrigação de alerta-las. Podem tanto divulgar dados sigilosos quanto não fazer nada.

Script Kiddie

Os marujos de primeira viagem.

Muitas vezes, os script kiddies sequer sabem o que estão fazendo. São jovens entusiastas, que usam softwares feitos por outros hackers para fazer uma ou outra firula.

Não são, exatamente, especialistas. Porém, quando conseguem algum feito grande, ganham notoriedade rápido.

Hackivista

Você já deve ter ouvido falar do grupo Anonymous. Aquele que usa a máscara do Guy Fawkes, e de V de Vingança, como símbolo.

O tipo hackivista geralmente age em prol de uma causa. Defende alguma ideia em que acredita. Pode ser uma posição socioeconômica ou ambiental. Os ataques, geralmente, visam inimigos deste posicionamento.

A partir deste ponto, temos os hackers do tipo criminoso.

Cracker

Um dos tipos mais famosos da internet. No navio pirata, é o capitão.

Cracker é o responsável pela facilitação na pirataria. Para isto, desenvolve cracks, códigos que burlam os sistemas de autenticação de softwares. Quem baixa jogos ou softwares pela internet já deve ter se valido dos “serviços” de um deles.

Black hat

Aqui as coisas já começam a ficar mais criminais.

Os black hats são especialistas em roubar dados sigilosos. Eles aproveitam as fragilidades digitais para fins ilícitos.

Phreakers

Até os anos 90, era um tipo de hacker bastante preocupante. Hoje, nem tanto.

Os phreakers são especialistas em telefonia. Seja ela móvel ou fixa. Um caso bastante famoso com este tipo de hacker envolve a DC Comics, editora que publica Batman, Superman e outros heróis.

Em 1989, a revista, em uma maneira de se aproximar do público, lançou uma votação. Dois números de telefone, em que os fãs escolheriam entre a vida e a morte de Jason Todd, então Robin.

O número favorável à morte do personagem venceu. A morte do Robin é uma das mais emblemáticas HQs do Batman.

Porém, anos depois, Dennis O’Neal, editor das revistas do Batman, disse que o resultado foi sabotado. Um phreaker programou um telefone para ligar a cada 90 segundos para o número que correspondia a morte do personagem.

Carders

Estes são os especialistas em cartão de crédito e contas bancárias.

Suas atividades ilegais vão desde a captura de dados por e-mails ou falsos sites até clonagem. Eles também geram cartões falsos, que se passam por verdadeiros, para realizar compras online.

States Sponsored Hackers

Hackers oficiais dos governos. Este grupo é bastante específico, e seus integrantes são quase desconhecidos.

Geralmente agem nos serviços de inteligência governamental. Tanto na área militar quanto em planejamento. Suas ações podem ser desde defesa contra outros SSH até ataques.

Em 2014, quando a Sony Pictures foi hackeada, a suspeita veio, justamente, de hackers oficiais chineses.

Spy hackers

São parecidos com o tipo anterior. Porém, estes trabalham para grandes corporações.

O foco deles é a famosa “espionagem empresarial”. Roubar dados sigilosos de outras empresas é sua especialidade.

Spammers

O tipo mais chato de hacker criminoso. Principalmente para quem não suporta caixas de e-mails lotadas.

Os spammers são especialistas em mandar conteúdos maliciosos via e-mail. Estes têm objetivo de roubar dados dos computadores dos usuários. Senhas, informações pessoais, nada está seguro.

Hackers mais famosos do mundo

Entre criminosos, especialistas e ativistas, alguns se destacam. Esta lista consta com alguns dos hackers mais famosos. Tanto por seus feitos quanto pela dificuldade em pega-los.

The Homeless

Adrian Lemo foi um criminoso virtual que deu muita dor de cabeça para grandes empresas. Microsoft, Google e Yahoo! São alguns exemplos.

Ele foi pego em 2003. Recebeu o nome de “sem-teto” por não realizar suas ações em um local fixo.

Recentemente ajudou a denunciar Chelsea Manning, militar responsável pelo vazamento de dados sigilosos do governo americano ao WikiLeaks.

Kevin Mitnick

No final dos anos 90, era o criminoso virtual mais procurado dos Estados Unidos.

Foi responsável pela invasão aos sistemas da Nokia, IBM e Motorola. Isto aos 15 anos de idade. Preso, ficou em uma solitária, sem qualquer acesso a telefones.

Isto porque o diretor do presídio sabia dos riscos que ele corria. Dizia que Kevin poderia iniciar uma guerra nuclear com um telefone.

Hoje é escritor e consultor de segurança digital. O filme Caçada Virtual (Takedown, 2000) foi baseado em sua história.

Jeanson Ancheta

O primeiro a controlar um exército de computadores.

Jeanson sequestrou, em 2004, cerca de 500 mil computadores. Para isto, usou um vírus enviado por spam.

Além de ganhar dinheiro com as invasões, vendia seus serviços para quem desejava derrubar sites. Foi preso em 2005 e devolveu 60 mil dólares ganhos com o esquema.


Nem todo hacker é criminoso virtual. Porém, todo criminoso virtual é um. É preciso saber diferenciar os dois tipos de piratas virtuais. E tomar muito cuidado com as informações que guarda em seu desktop.



Deixe uma resposta